Como conciliar CLT e Marketing de Afiliados?

Muitas pessoas que trabalham de carteira assinada estão descobrindo os benefícios de trabalhar com marketing digital e vão para internet pesquisar como conciliar CLT e marketing de afiliados.

Essas pessoas querem um caminho para começar seu trabalho na internet, sem jogar para cima tudo que possui hoje trabalhando no mundo corporativo

A transição de carreia para o marketing digital é um momento importante e que precisa ser bem pensado, mas não é algo impossível de ser feito.

Eu tenho um exemplo disso dentro de casa.

O Rafa deixou o trabalho como CLT para trabalhar com marketing digital.
O Rafa deixou o trabalho como CLT para trabalhar com marketing digital.

Meu marido, Rafael Lima, trabalhava na Cisco, uma empresa norte-americana, global, pela qual ele viajava todos os anos para os Estados Unidos, com tudo pago.

Ele tinha um excelente salário, o maior cargo na área de especialização dele e trabalhava em projetos grandes.

Sua carreira estava consolidada e seguiria em pleno sucesso frente ao histórico de trabalho e capacitação que o Rafa tem.

Mas, diante dessa realidade profissional tão brilhante, ele queria mais, ele queria algo que o mundo corporativo não podia proporcionar.

A oportunidade de ver bem de perto o nosso filho crescer, viver experiências únicas em família, ter tempo para projetos pessoais e ajudar no crescimento da empresa que nós construímos juntos, o Fiquei Sem Crachá.

Quando ele entendeu que era possível ter tudo isso trabalhando com marketing digital, ele começou o processo de mudança de carreira e nisso ele precisou conciliar CLT e Marketing de Afiliados.

A experiência que ele viveu nesse processo é o que ele compartilhou em um bate-papo que rolou ao vivo lá no meu Instagram e que compartilho com você nesse artigo.

Conciliar CLT e marketing de afiliados.

1 – Como você começou a perceber que não queria mais trabalhar como CLT?

Quando começou o lockdown em março de 2020, que eu fiquei só trabalhando de home office, eu vi o Mateus engatinhar pela primeira vez, depois ele falando “papai: a primeira vez, depois “mamãe” a primeira vez.

Ser dono do próprio tempo.
Ser dono do próprio tempo.

Essas coisas foram me mostrando. E se a pandemia não tivesse acontecendo? Será que eu estaria aqui nesse momento? Será que eu teria pedido?

Estava muito legal ver aquele progresso. Eu achei legal poder estar junto.

Por outro lado, eu via o Fiquei Sem Crachá crescendo e a Lu estava sem braços para fazer as coisas. Tinha muita coisa para ser feito, para melhorar, para continuar crescendo e ela não estava mais dando conta.

2 – Quando você começou a conciliar a CLT com marketing digital?

Em abril de 2020, eu comecei a conciliar a CLT com marketing digital.

Eu ainda não havia tirado minha licença paternidade. Eu tinha trinta dias de licença.

Falei com a Lu que iriamos aproveitar a pandemia, que não iriamos a lugar algum e iria mergulhar nos estudos e na prática do marketing digital, que eu queria ver se esse negócio funcionava.

Foi quando eu comecei a estudar o passo a passo e comecei a entender como funcionava e fiquei surpreso com tudo que descobri.

3 – Por onde você começou a estudar?

Eu comecei a estudar tráfego pago, porque nós já tínhamos uma estrutura muito grande no orgânico.

Como a Lu não trabalhava com tráfego pago, eu comecei a estudar para aplicar no Fiquei Sem Crachá e ver qual resultado dava.

Em abril de 2020 eu comecei a estudar e aplicar. No final de abril eu fiz um levantamento dos resultados e já tinha dado mais que o meu salário na empresa que eu trabalhava.

4 – Como você decidiu que iria abrir mão do seu emprego de CLT para empreender no digital?

Vendo esses resultados que eu tive no primeiro mês de trabalho com tráfego pago, a Lu brincou comigo, me perguntando:

Tendo esses resultados, quantos meses você precisa para me entregar seu crachá?

Eu respondi para ela: 3 meses. Se eu conseguir fazer três meses consistentes ganhando mais do que eu faço bruto na minha empresa eu te entrego meu crachá.

Selamos o acordo apertando as mãos e ela ainda me perguntou se eu estava falando sério.

E afirmei que sim.

Nos meses seguintes segui trabalhando, conciliando CLT e marketing de afiliados.

Final de junho ela me perguntou novamente como foram os resultados e a minha resposta foi entregar o crachá a ela.

Eu havia tomado a decisão de pedir demissão.

Julho de 2020 eu chamei o meu gerente para conversar, expliquei toda a situação e que estava no meu momento de mudar.

5 – Por que você conseguiu resultados tão rápidos?

Porque já existia uma estrutura gigantesca do Fiquei Sem Crachá.

A união da estrutura construída no orgânico com o poder do tráfego pago potencializou os nossos resultados.

Quando você já tem um negócio funcionando e você consegue atrair mais pessoas, automaticamente você consegue vender mais.

Já tínhamos diversas iscas digitais, apresentamos a Lu para mais pessoas e mais pessoas começaram a entrar no funil.

O processo de você vender é um funil.

E já tínhamos um funil muito eficiente.

Você pega pessoas que não sabem que tem um problema, você esclarece o problema para ela e você coloca essas pessoas na boca do funil.

Dentro do funil, o público frio segue pelo fluxo, sendo esquentado, até o momento da compra.

Por isso que foi rápido para eu ter resultados que me fizeram pensar em sair do meu emprego para trabalhar com marketing digital em quinze dias trabalhando com tráfego pago.

Vai ser assim com todo mundo? Não vai ser.

Então, não quero dizer que qualquer um consegue nesse tempo que aconteceu comigo.

Pode acontecer, mas não é a regra.

6 – Como você se organizava para conciliar CLT com marketing digital?

Eu acordava mais cedo, estudava e aplicava.

Usava também meu horário de almoço.

Mas trabalhava mais depois do meu horário de trabalho.

Eu já tinha a prática de trabalhar horas extras como CLT e usei essa prática para trabalhar para o Fiquei Sem Crachá.

7 – Como foi sair da CLT depois de tantos anos? Em algum momento você achou que havia tomado a decisão errada?

Em nenhum momento eu achei que havia tomado a decisão errada.

Geralmente eu penso muito antes de tomar qualquer passo.

A vida é feita de momentos incríveis e que posso aproveitar porque decidi migrar entre a CLT e marketing de afiliados.
A vida é feita de momentos incríveis e que posso aproveitar porque decidi migrar entre a CLT e marketing de afiliados.

No início eu pensei: caraca, pedi demissão de uma empresa grande, com muito benefícios, onde muitas pessoas eram demitidas e eu nunca estava nas barras das demissões!

Isso faz você refletir muito sobre.

Além do apego que você tem.

Eu trabalhei nessa empresa por 12 anos, criei amizades e vínculos. Tem pessoas que trabalham lá e que fala com elas todos os dias.

Mas em momento algum eu me arrependi.

8 – Conte algo legal que você percebeu depois que migrou da CLT para o marketing digital?

Mesmo eu tendo saído da Cisco em novembro de 2020, hoje mesmo eu ainda sinto a necessidade de estar sentado no computador, trabalhando, no horário comercial, tipo, de 9h as 18h.

Eu acho que eu estou me boicotando ou boicotando o Fiquei Sem Crachá se eu estiver na praia as dez da manhã com o meu filho.

E as vezes me vem na cabeça: o que eu estou fazendo aqui?

Mas esse é o bacana do digital, você tem sua liberdade de tempo, você é o dono do seu tempo, você é responsável pelo seu tempo, pelo que você faz e pelo resultado que ele vai trazer.

Cada vez fica mais claro que eu posso ter lazer quando eu quiser, assim como posso trabalhar quando eu quiser.

9 – Conte um pouco sua experiência de trabalhar no marketing digital sem aparecer.

Eu quis viver a experiência de trabalhar com marketing digital sem aparecer. Eu queria testar, eu queria mostrar para Lu que era possível.

Eu criei uma conta no Instagram do zero no nicho de churrasco, que é um assunto que eu amo.

Comecei usando as técnicas de tráfego pago investindo R$6 por dia, durante 5 dias, para testar os resultados.

Não tinha muito conteúdo na conta, usei duas imagens e escrevi algo sobre a carne, criei um perfil magnético usando os ensinamentos que aprendi no Insta para Afiliados e fiz uma segmentação precisa de público nas campanhas.

Dentro dos cinco dias de anúncio, eu consegui trazer mais de setenta seguidores qualificados.

Se eu tivesse colocado um link de afiliado de um produto ligado a churrasco, certamente eu teria feito vendas.

10 – O que você tem a dizer para quem quer começar a trabalhar com tráfego pago?

Trabalhar com tráfego pago sem estratégia é queimar dinheiro.

Isso é aproveitar a vida.
Isso é aproveitar a vida.

Você pode usar tráfego pago para atrair mais seguidores, para que mais pessoas vejam os seus posts, mas se você não tem uma estratégia por trás disso é queimar dinheiro.

Se você não tem uma BIO clara falando o que você faz, se você não entrega um conteúdo relevante e de qualidade, as pessoas não vão te seguir.

Tráfego pago não é milagre do marketing digital.

 

Convido você conhecer o meu curso Insta para Afiliados, onde ensino do zero a trabalhar como afiliado profissional no Instagram.

Seja meu aluno no curso Insta para Afiliados. CLIQUE AQUI.